Postectomia na infância - IUN - Instituto de Urologia e Nefrologia

17 4009-9191
Rua Voluntários de São Paulo, 3826
São José do Rio Preto / SP

Notícia

Postectomia na infância

Define-se fimose fisiológica da infância como a impossibilidade parcial ou completa de exposição glandar, causada tanto pela aderência natural entre a mucosa interna do prepúcio e a glande como pela presença de um anel prepucial, que apesar de inicialmente restritivo, é em geral bastante elástico.

A fimose secundária, por sua vez, é caracterizada pela presença de um anel prepucial inelástico, geralmente associado a fibrose decorrente de processos inflamatórios bacterianos ou fúngicos sucessivos, eventualmente agravada por tentativas forçadas de retração e dilatação prepucial.

A balanopostite xerótica obliterante também constitui um fator agravante para o desenvolvimento da fimose secundária. Na infância, a dificuldade da exposição e higiene glandar pode se associar à inflamação local (balanopostite) recorrente, que eventualmente causa aparecimento da fimose secundária, assim como de infecção urinária e parafimose.

No adulto, a fimose está associada à maior incidência de doenças sexualmente transmissíveis e ao câncer de pênis. O tratamento da fimose fisiológica na infância é habitualmente conservador, baseado na expectativa da sua resolução com o crescimento do paciente. Sabe-se que tanto a aderência
do procedimento.

No nosso meio, exceto por motivos religiosos, a circuncisão neonatal não é rotineiramente realizada, preferindo-se adotar a conduta conservadora na maioria dos casos.

Ao contrário, nos Estados Unidos, o procedimento com indicação profilática é bastante frequente. A Academia Americana de Pediatria, embora não recomende a realização sistemática em todos os recém-nascidos, enfatiza os seus benefícios, relacionados à redução do risco de infecção urinária na infância e de doenças sexualmente transmitidas, SIDA e câncer de pênis nos adultos.

Deve ser ressaltado, contudo, que esses benefícios também podem ser obtidos sem a circuncisão, desde que seja possível a adequada exposição e higiene glandar. A circuncisão pode ser realizada com a clássica técnica cirúrgica incisional ou com o uso de clampes disponíveis no mercado. Os dois métodos apresentam suas vantagens e desvantagens.

Tecnicamente, devese assegurar o descolamento completo do prepúcio e a sua ressecção adequada, a fim de permitir a adequada exposição da glande sem provocar redundâncias ou retrações cutâneas, assim como cicatrizes anormais no pênis.

No caso de circuncisão neonatal, esta pode ser realizada sob anestesia local tópica, mas lactentes e
entre o prepúcio e a glande como o anel prepucial se desfazem espontaneamente até os 3 ou 4 anos de idade, pelo acúmulo progressivo de esmegma entre as duas mucosas e pelo estímulo das ereções penianas.

O tratamento tópico com cremes a base de corticoide, eventualmente associado a hialuronidase, pode acelerar a resolução da maioria dos casos de fimose fisiológica, bem como reverter os casos mais amenos de fimose secundária. Normalmente, a aplicação do creme deve ser feita uma a duas vezes ao dia, acompanhada por exercícios prepuciais suaves, por cerca de um mês.

Vários estudos demonstraram a eficácia do tratamento, com resolução da fimose em mais de 80% dos casos, com poucos efeitos colaterais. Ocasionalmente, pode ocorrer recidiva do anel prepucial nos casos que não seguiram com os exercícios prepuciais após o término do tratamento tópico. Nos casos de fimose secundária, com suas eventuais complicações, a resolução definitiva deve ser obtida por meio da cirurgia (circuncisão ou postectomia).

A circuncisão é um dos procedimentos cirúrgicos mais antigos da humanidade, realizada pelos nossos ancestrais por motivos religiosos ou rituais.

A infecção deve ser evitada com a devida assepsia e uso de antibióticos tópicos no pós-operatório. A falta de cuidados locais após a circuncisão pode estar associada à formação de aderências prepuciais residuais, bem como eventual estenose de meato uretral.

 Tratando-se de um órgão único e de extrema importância no homem, a cirurgia deve ser sempre realizada cuidadosamente, para se obter um resultado cosmético e funcional adequado, livre de eventuais complicações.
embutido ou pênis curvo, que requerem tratamento cirúrgico específico.

Como toda cirurgia, a circuncisão pode apresentar complicações variadas, algumas das quais dramáticas. A hemorragia é a mais frequente, em geral ocorrendo na região frenular e ocasio
crianças maiores devem ser submetidas ao procedimento sob anestesia geral.

É muito importante ressaltar que a circuncisão deve ser evitada na presença de processo inflamatório agudo e de outras anormalidades penianas associadas, como hipospádia, epispádia, pênis
produção de esmegma pelas glândulas sebáceas localizadas no sulco bálano -prepucial. Esse esmegma vai progredindo no sentido do ápice da glande, formando verdadeiros “cordões” e “cistos” de esmegma. 

Sempre que se fala sobre postectomia se associa esse procedimento cirúrgico ao diagnóstico de fimose, pois esta é, sem dúvida, sua principal indicação. Assim inicio meus comentários caracterizando o que é fimose.

A função fisiológica do prepúcio é proteger a glande. Ela possui pele sem camada córnea e com terminações sensoriais (nervosas) altamente sensitivas. Todo recém-nascido do sexo masculino, com genitália normal, possui prepúcio recobrindo a glande. A pele interna do prepúcio está acolada à glande, e ocorre um descolamento fisiológico a partir dos 2 a 3 anos de idade.

A prática clínica mostra que quanto mais jovem a criança no momento da postectomia, menores serão as complicações
 pós-operatórias.

Assim, quando são submetidas a cirurgias eletivas por outras causas - como hérnias inguinal, umbilical, criptorquidia, etc. - se sugere à família que também sejam postectomizadas. O mesmo ocorre naquelas submetidas a tratamento clínico da “fimose” com pomadas à base de corticoides, sem êxito no mesmo.

Por fim, recomendamos realizar a postectomia naquelas crianças que não se enquadraram em nenhuma das situações anteriores, mas que atingiram a idade de se poder realizar o diagnóstico clássico de fimose.

Há o conceito de não se realizar postectomia com a criança ainda usando fralda, pelo risco de balanites devido ao atrito da fralda. Em nossa experiência isso é mais um mito do que uma realidade. A prática clínica mostra que quanto mais jovem a criança no momento da postectomia, menores serão as complicações pós -operatórias e mais fácil o cuidado da mesma.

Assim, quando não houver necessidade de uma intervenção mais precoce, realizamos a cirurgia
entre os 2 e 3 anos de idade, quando a criança ainda está usando fralda, mas prestes a sair da mesma.

Também nessa idade, a possibilidade de “trauma psicológico” pelos procedimentos de centro cirúrgico praticamente inexistem, pois ainda não há retenção na memória de fatos até essa faixa etária.

Fonte:SBU