Terapia renal substitutiva - Diálise Peritoneal (CAPD/DPA) - IUN - Instituto de Urologia e Nefrologia

17 4009-9191
Rua Voluntários de São Paulo, 3826
São José do Rio Preto / SP

Nefrologia

Terapia renal substitutiva - Diálise Peritoneal (CAPD/DPA)

Neste método não ocorre a circulação extracorpórea do sangue. O filtro é uma membrana do próprio organismo chamada peritônio, que reveste toda a cavidade abdominal. Neste processo uma solução de diálise é infundida na cavidade peritoneal e ocorre o transporte transcapilar de água e solutos através do peritônio, o qual funciona como uma membrana natural impermeável.

Como é feita a diálise peritoneal?
Um cateter é instalado no abdome, na chamada cavidade peritoneal e através deste é introduzido cerca de dois litros de líquido de diálise, já preparado e estéril, que é fornecido em bolsas plásticas flexíveis e atóxicas; este líquido permanece de 6 a oito horas no abdome e será trocado de 3 a 4 ou mais vezes por dia, todos os dias. Assim justifica-se o nome de diálise contínua.

Quem faz as trocas das bolsas da diálise?
Quem faz as trocas das bolsas é o próprio paciente ou um parente próximo, sendo que um enfermeiro ou enfermeira será o responsável inicial pelo treinamento do paciente e de seus familiares para efetuar as trocas.

Quais as vantagens desse tratamento?
As vantagens deste tipo de diálise é a limpeza contínua das toxinas do organismo, a realização do tratamento em casa e o ajuste dos horários conforme as necessidades do paciente.

Existem desvantagens nesse tratamento?
Como todo tratamento existe desvantagens, e a principal delas é a possibilidade de ocorrer peritonite (infecção da cavidade peritoneal). O local onde o paciente fará as trocas deve ser muito limpo e vários outros cuidados devem ser tomados.

Diálise Peritoneal Automatizada (DPA)
É realizada com o auxílio de uma máquina chamada cicladora, que é utilizada, geralmente, durante o período noturno. Na DPA o processo de troca de solução é automático e o dialisado é trocado de 3 a 5 vezes durante o período. Quando o paciente se desconecta da cicladora pode ser deixada uma nova solução na cavidade abdominal para que ele continue a dialisar. Na cicladora se programa o tipo de tratamento, o tempo de permanência, o volume de solução, o tempo de drenagem e o número de ciclos que se deseja fazer.

Usando qualquer um dos tipos de tratamento em substituição ao funcionamento normal do rim, o organismo se manterá em equilíbrio se o paciente seguir uma dieta adequada, fizer uso correto das medicações prescritas e seguir as orientações fornecidas pelo seu centro de diálise.

Consulte um médico a respeito do melhor tratamento indicado em cada caso particular.