Ciclismo e Disfunção Erétil - IUN - Instituto de Urologia e Nefrologia

17 4009-9191
Rua Voluntários de São Paulo, 3826
São José do Rio Preto / SP

Dicas de saúde

Ciclismo e Disfunção Erétil

Disfunção erétil não é um tópico que habitualmente deveríamos pensar, principalmente quando executamos uma atividade buscando bem-estar físico, mental e social. No entanto, é uma questão que todos os ciclistas homens deveriam ter ciência.
Entre 50% e 91% dos ciclistas experimental algum tipo de dormência genital durante o ciclismo. Esse entorpecimento é causado quando o selim da bicicleta comprime o períneo.
Enquanto o entorpecimento em si pode trazer desconforto, a preocupação é que a compressão perineal em homens pode ter um impacto a longo prazo mais significativo: a disfunção erátil (DE).
COMO TUDO COMEÇOU
Em meados de 1997, um artigo publicado na revista Bicycling. Dr. Roger Minkow (médico interessado em produtos ergonômicos), considerado por muitos como o pioneiro do selim moderno. Minkow dedicou seu tempo a aprender mais sobre anatomia humana, para entender quais partes do quadril de um ciclista não poderiam ser comprimidas pelo selim.
E ele não estava estudando sozinho esse tema. O Dr. Frank Sommer também trabalhava com ciclistas e avaliava o fluxo sanguíneo peniano durante a atividade física. A partir daí passou a projetar os selins de acordo com as informações obtidas. As avaliações eram semanais e os recortes do selim seriam modificados de acordo com o que se observava.
O pressuposto de ambos era que o fluxo sanguineo reduzido para o pênis ( causado pelo efeito de  esmagamento do selim da bicicleta) resultava em dano tecidual e, por sua vez, teria o potencial de alterar o fluxo sanguíneo necessário para alcançar e manter uma ereção saudável.
Durante cerca de 20 anos o Dr. Minkow trabalhou com a SPECIALIZED(marca americana de bikes e acessórios), usando medidas de fluxo sanguíneo peniano para ajudar a orientar o desenho de de uma série de selins.
O QUE SABEMOS AGORA
A venda de selins para reduzir a pressão perineal é um fato, mas o que as pesquisas dizem o quanto desse problema é a pressão? Devemos todos pedalar com selins recortados? Houve muita pesquisa nas últimas dácadas, considerando as possíveis relações entre o ciclismo e DE. Alguns estudos sugerem que o ciclismo, realmente aumenta o risco de DE , enquanto outros sugerem que esta relaçao não existe.
No maior estudo desse tipo 5.300 ciclistas masculinos completaram um questionário detalahndo seus hábitos de condução e quaisquer sintomas de DE ou infertilidade. E a conclusão foi que não havia evidências de "uma relação causal simples entre volume de ciclismo , DE e infertilidade".
PESQUISA EM ANDAMENTO
O Dr. Minkow esta a frente de uma equipe de pesquisadores da Universidade de Satanford para realizar novas pesquisas envolvendo 1.150 homens e 150 mulheres. O estudo ainda esta em andamento e será feito por cerca de um ano. É aberto a homens e mulheres dem todo o mundo, com a idade igual ou superior a 18 anos, e compreende um questionário on-line que pode ser respondido em aproximadamente 15 minutos.
Os usuários são indagados sobre selins que usaram nos últimos anos, seu histórico de atividade , bem como quaisquer problemas sexuais que possam ser encontrados.
O objetivo é determinar se há uma relação entre os selins que as pessoas estão usando e a prevalência de DE. Ainda é precoce dizer quais selins ou projetos de selins representam maior risco.
A dor não é necessariamente correlativa neste ponto do estudo, mas o entorpecimento sim é correlativo se estiver no pênis. Se estiver em outras áreas do períneo, porém, não necessariamente se correlacionaria  com DE, mas existe sim, uma ligação definitiva entre entorpecimento do pênis e disfunção erétil.
Enquanto os resultados do estudo de Stanford estão longe de ser publicados, Minkow já esta olhando a próxima geração de projetos de novos selins. Ele tem trabalhado com um fabricante de pequenos componentes na Suiça chamado ERE Research, desenvolvendo uma nova gama de selins.
O QUE VOCÊ PODE FAZER
Acredita-se, como tópico principal, ser necessário saber se o indivíduo tem ou não alguma dor ou entorpecimento durante ou depois de andar de bicicleta.
Ciclistas que não apresentam sintomas, provavelmente não estão em grande risco.
A dica que fica é: se você é um ciclista habitual e nota certa dormência na região perineal, troque de selim e?ou faça ajustes em sua bicicleta através de um bikeffiter (profissional de educação física especializado em ajustar suas medidas com as da bicicleta - seria o "alfaiate" da bike) de confiança e faça com que esses sintomas desapareçam.
O selim é o principal apoio entre o ciclista e sua bicicleta. Portanto, essa plataforma tem que ser exatamente adequada.
Uma simples mudança de selim pode repercutir nos joelhos e em toda a coluna (lombar e cervical) e, por isso, um ajuste global deve ser valorizado.

Fonte:SBU