97% dos meninos nascem com fimose - IUN - Instituto de Urologia e Nefrologia

17 4009-9191
Rua Voluntários de São Paulo, 3826
São José do Rio Preto / SP

Dicas de saúde

97% dos meninos nascem com fimose

Dificuldade de higienização, maior probabilidade de infecções locais e infecções urinárias nas crianças são algumas das consequências da fimose. Estimativas apontam que cerca de 97% dos meninos nascem com o problema. Esse número cai para cerca de 10% aos 3 anos de idade e gira em torno de 1 a 3% nos adolescentes. A fimose ocorre quando ao se puxar a pele do prepúcio não é possível expor a cabeça do pênis.

“A fimose pode gerar dificuldade de higienização da cabeça do pênis, facilitando infecções locais e infecções urinárias nas crianças. Casos extremos de fimose, com anel muito estreito, podem causar dificuldade para urinar, ocorrendo a micção por balonamento, ou seja, a urina fica retida na bolsa de prepúcio para depois ser expelida para o meio externo. Já nos adultos, a fimose pode levar a incômodo e lesões durante a ereção e a relação sexual, atrapalhando a própria atividade sexual”, explica o urologista Davi Abe, médico assistente da Urologia do Hospital Santa Marcelina, em São Paulo.

Na maior parte dos casos não é necessário qualquer tratamento, a fimose melhora espontaneamente. Entretanto, há casos em que a pele que envolve a cabeça do pênis é bastante fechada e com tecido cicatricial. Outras vezes a criança desenvolve inflamações de repetição e infecção urinária.

“O tratamento inicial, na maioria das vezes, é o uso de pomadas à base de corticoides como a betametasona a 0,1%, que resolve cerca de 80% dos casos. Se não resolver, a cirurgia se faz necessária. Em situações em que a pele é muito fibrosada ou em grandes dilatações renais, pelo risco de infecção urinária, a cirurgia pode ser indicada antes mesmo do uso de pomada”, afirma Ubirajara Barroso, chefe do Serviço e Disciplina de Urologia da Universidade Federal da Bahia, professor adjunto da Escola Bahiana de Medicina e chefe do Departamento de Urologia Pediátrica da SBU (2014/2015).

Doenças sexualmente transmissíveis 
A fimose faz parte do desenvolvimento da criança, sendo o descolamento do prepúcio um processo natural. Deve-se lavar o órgão apenas com água e sabão e evitar uso de papel toalha e cotonetes. “A melhor forma de prevenir a cirurgia é evitar as manobras forçadas para a retração da pele do pênis. Isso fere a pele, provocando irritação, inflamação e, além do desconforto da criança, maior chance de apresentar cicatrização exagerada e piorar a fimose”, aconselha Barroso.

Ao contrário do que se pensa, a cirurgia para correção da fimose não impede a sensibilidade do pênis. O procedimento diminui o risco de transmissão do vírus HIV e de algumas outras doenças sexualmente transmissíveis, além de reduzir a chance de infecção urinária.

fonte: SBU